• Palato

Entenda a diferença entre fórmula infantil e composto lácteo


É importante lembrar que a Organização Mundial de Saúde (OMS), Ministério da Saúde (MS), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e os principais órgãos mundiais de saúde recomendam o aleitamento materno exclusivo até 6 meses de vida e prolongado até dois anos ou mais.


Na impossibilidade do aleitamento materno a OMS afirma que a fórmula infantil, também conhecida como leite artificial, é o alimento complementar ou substituto adequado e seguro do leite materno, quando preparada de acordo com os padrões estabelecidos pelo órgão responsável de cada país, no caso do Brasil a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).


A fórmula infantil é um alimento processado, concebido e comercializado para a alimentação de bebês desde o nascimento até três anos de idade. Pode ser produzido a partir do leite de vaca ou de origem vegetal com adequada osmolaridade e quantidade de macro e micronutrientes de acordo com a fase e necessidade do bebê.

O leite artificial só deve ser oferecido ao bebê quando prescrito e indicado por seu pediatra ou nutricionista materno infantil.


Outro produto encontrado no mercado, sempre próximo aos leites artificiais, é o composto lácteo. Este, por sua vez, é um alimento ultra processado, que apresenta em sua composição a combinação de leite ou derivados (no mínimo 51%), óleos (de palma, canola, girassol, peixe...), açúcares (maltodextrina, oligossacarídeos...), vitaminas, minerais e aditivos (conservantes, emulsificantes, aromatizantes...) e por isso não pode ser considerado um leite. O órgão responsável pela regulamentação e aprovação dos compostos lácteos no Brasil é o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil).


Existe uma grande polêmica em relação aos compostos lácteos, que apesar de constar nas embalagens a indicação a partir de 1 ano, é considerado por muitos profissionais da saúde um alimento desnecessário por conter nutrientes que não são indicados para crianças menores de 24 meses.

Para não cometer enganos na hora da compra, é necessário atentar-se à leitura da embalagem dos produtos. Estes devem conter em destaque e de forma legível a categoria de fórmula artificial ou composto lácteo na frente da embalagem.


Mesmo que já esteja acostumada a comprar sempre o mesmo produto, fique atenta, pois esses alimentos costumam passar por mudanças e reformulações constantes e consequentemente mudar de categoria. Foi o caso do Ninho Fases 1+, antigo composto lácteo, que após mudanças na seleção e quantidades dos ingredientes, passou para a linha de leites artificiais.


Além disso, é de extrema importância conversar com os profissionais de saúde que acompanham seu bebê sobre a adequada escolha quando necessário o uso de outro alimento que não o leite materno.


Em breve mais dicas de nutrição materno-infantil para você e sua família!

Renata Chimenti Del Greco

Nutricionista materno-infantil